quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Glu glu glu

O tempo voa quando precisamos que passe devagar e se arrasta quando não aguentamos mais esperar. Constato esse fato todos os dias quando a minha ansiedade começa a bater na porta. Eu sei que quem sofre na véspera é peru mas não tem jeito.

Sim, eu sofro por antecipação - e muito e sempe.


Sofrer por antecipação é lei na minha vida. Eu sofro por tudo: na espera por provas, datas, respostas e até por coisas que eu nem sei se vão acontecer. Mas nem sempre é algo ruim. Eu, por exemplo, adoro contar os dias, horas e minutos pra acontecimentos legais, apesar de penar horrores quando estou com medo de fazer alguma prova que não sou muito boa.
E tanto já estou acostumada com a minha ansiedade crônica que a classifiquei em boa, chata ou desesperadora. A chata é aquela que me força a olhar o relógio a cada dois minutos na esperança de que uma hora já tenha passado e sempre convém em momentos de espera como pré-reencontros ou antes de anunciarem listas de resultados, sempre momentos repletos de tédio. Enquanto a desesperadora é um patamar mais alto e pode até me fazer perder o sono de tanta preocupação ou felicidade. E a boa ? Ah, a boa é aquela que precede a festa, a finalização. Esse sofrimento que me enche de coisas pra fazer, faz-me explodir em mil para realizar tudo e, ao fim, me deixa com uma sensação de dever cumprido impagável.

Independentemente, é algo que sempre me acompanhará. Mesmo que eu reprima, terá sempre algum átomo dentro de mim pulando pra cá e pra lá, fazendo coisas e olhando no relógio, roendo unhas. O que posso dizer ? Pareço de aço, mas ainda sou humana. Se não crio expectativas sobre o que vai acontecer, preciso pelo menos ansiar pelo momento que está por vir. Hehe