quinta-feira, 6 de agosto de 2009

I'm back

escrever...apagar. escrever...apagar. escrever... acrescentar algumas linhas com esperança e...apagar, ficar frustrada e fechar a janela.

há exatos 1 ano e 5 meses atrás eu nem imaginava o futuro do meu querido r.r. e achava que seria um bom lugar pra desabafar, escrever quando desse vontade e , assim, manter em escancarado segredo mais uma parte da minha vida: bem ali, exposta pra quem se interessasse a ver.
não lembro ao certo o que me fazia entrar no computador e acessar logo de cara o blog, mas lembro que sempre apertava o botão de "Publicar Postagem" com um certo alívio e apreensão; a incerteza de querer ser lida e comentada e o receio de não gostarem, caso lessem.
com o tempo, fui me acostumando à escrever quase diariamente sobre o tudo, o nada e o que tem entre o dois, e me dando conta de que não precisava ser lida... só precisava colocar pra fora.
por vários meses foi assim: eu vinha, escrevia o que desse na cabeça, saía aliviada e, vez ou outra, contava com um comentário de uma grande amiga minha. confesso, eu estava satisfeita.
mas num surto de ousadia, me inscrevi em uma seleção de blogueiras e (totalmente contrária às minhas expectativas) passei.
a alegria foi imensa, claro, como já publicado aqui mesmo; a constatação de que alguém realmente gostara do que eu escrevi e acreditou que mais pessoas gostariam foi completamente novo para mim. o reconhecimento da minha capacidade, um mundo novo em que eu entrava por mérito próprio. inimaginavelmente bom.
mas então... mudou. eu mudei.
não saber como falar sobre o assunto que me pediam me frustrava e sugava a vontade de escrever o que fosse. e quando somava ao fato de que agora outras pessoas liam meus textos, não sabia o que seria interessante e o receio que surgiu lá na criação do meu espaço, voltou forte.
então hoje eu parei; há quase 1 mês não escrevo por vontade, apesar de várias vezes encarar por minutos a fio o espaço branco de postagem antes de desistir.
a minha visão relativa me pede espaço; não vou mais negar-lhe palavras se ela quiser se expressar.
realidade, estou de volta !
;*